Aneel Aprova Nova Forma de Tarifa de Consumo por Horário


Os brasileiros estão sempre pagando contas, é conta de água, de telefone, de luz, enfim são contas mensais que já fazem parte do orçamento de cada família brasileira, mas a correria do dia-a-dia não deixe nem pararmos para olharmos e conhecermos de fato cada tarifação destas despesas, e assim às vezes ocorre um aumento e acabamos nem percebendo, por isso hoje trouxemos uma novidade na tarifa da conta luz.

Então vamos conhecer antes como funciona a cobrança pela energia elétrica, para começar devemos salientar que a responsável pela tarifação é a Agência Nacional de Energia Elétrica, ANEEL, esta realiza a sua cobrança através de duas formas, calculada em cima de distribuidoras ou pela transmissora. E esta cobrança de distribuição ainda é subdividida em Parcela A que são os valores relacionados com o ressarcimento do que foi gasto e a parcela B que são os valores relacionados aos gastos de uma maneira geral com toda a distribuição da energia elétrica.


Agora que você já sabe como funciona a cobrança dos seus gastos com energia elétrica, acompanhe conosco uma mudança que irá ocorrer e que já foi aprovada pela ANEEL, onde durante o dia terá um horário em o custo ficará mais caro do que todos os outros horários, esta mudança tem como objetivo ajudar aos consumidores a reduzir a sua taxa, visto que neste horário pode manter o mínimo de aparelhos e luzes ligados, esta mudança terá o nome de “Tarifa Branca”, vamos conhecer como irá funcionar a partir de 2012 até 2014 para o início.


Esta mudança será da seguinte forma, durante o dia será cobrado um valor mais barato e a noite o valor desta tarifa aumenta onde o consumo é bem maior, mas ainda teremos a tarifa intermediaria que ficarão entre os dois horários, isto para segunda a sexta, e nos feriados e fins de semana o valor mais barato será cobrado durante todas as 24 horas que formam o dia, lembrando que esta alteração não será obrigatória, só vai participar quem quiser, e também não poderão ser beneficiados iluminação publica e nem os clientes de baixa renda.