Web
Analytics

O que é nióbio e como ele ajuda na economia

nióbio

Em 1801 foi descoberto um novo mineral a partir da columbita, os estudos de Charles Hatchett conseguiram trazer à tona o nióbio, que naquela época era apenas chamado de columbium. 

No entanto, o cenário mudou e o descobrimento desse material não era tão importante até que, posteriormente, em 1846, Heinrich Rose também descobriu o elemento e a partir desse momento ele foi aceito pela comunidade.

Existem muitas questões para serem tratadas quando falamos desse material. Ele é brilhante e tem como uma das principais características sua baixa dureza. Ele é extraído principalmente da columbita, mas já existem outros materiais que conseguem fazer o mesmo processo.

Se deseja conhecer mais sobre o nióbio, suas funções, características físicas e químicas e até mesmo seu valor para a economia, vamos tratar disso ao longo do texto, acompanhe!

Onde se encontra o nióbio

Existem duas formas de extrair o nióbio: a primeira, como já dito, é a partir da columbita. A outra, ou melhor, as outras, se distribuem em diversos outros materiais que podem conter traços dele. Um exemplo claro disso é a tantalita. 

Eles são encontrados nesses materiais a partir de isótopos estáveis, mas também há informações que já existem aproximadamente 28 radioisótopos no material, já sintetizados. 

No geral, não há como encontrar o nióbio de forma livre na natureza. Sendo assim, a única maneira de trabalhar com eles é a partir do que é oferecido em outros materiais. 

Ah, vale lembrar que ele também já possui um certo peso na economia, sendo assim, se torna cada vez mais importante considerar sua presença em torno de alguns pontos.

Características gerais

Bem, para entender melhor como o nióbio pode atuar na economia, vamos entender, antes, as suas propriedades, já que tanto na parte física como na parte química elas conseguem ser chamativas.

É claro que essa variação é importante apenas para quem irá lidar diretamente com o material, mas essas propriedades são também alicerces para que ele possa desempenhar diversas funções.

Propriedades físicas

É um metal brilhante, como já dito. Possui uma coloração cinza e seu estado na natureza (ao menos em condições padrões) é sólido. 

O seu ponto de fusão pode chegar até mesmo a 2477 °C, com uma temperatura de ebulição muito alta, chegando a 4744 °C. Vale lembrar que na maioria das situações ele é utilizado ainda em forma sólida, então nem sempre esses fatores são considerados.

O nióbio também é dúctil e, por sua vez, é um dos super condutores conhecidos no mundo inteiro. Por fim, é um material resistente à corrosão.

Como deu para ver suas propriedades físicas são extremamente importantes no quesito econômico e funcional. Agora vamos ver um pouco mais sobre as propriedades químicas do material.

Propriedades químicas

Nesse caso há ainda mais o que considerar. Também é um estudo muito específico e, geralmente, sua aplicação, apesar de levar em conta esses fatores, não se liga diretamente a ele. 

É claro que os fatores químicos do material são alvo de estudo, até porque existem transformações químicas que podem ser ele.

O número atômico do nióbio é 41. Sua massa atômica é de 92.9 e seu símbolo na tabela periódica e em diversos outros locais é Nb. 

Pertencente do 5° período da tabela na também família 5, o material é considerado da família do Vanádio, do Tântalo (com quem possui características semelhantes), e do Dúbnio. Isso também confere a ele a característica de ser um metal de transição na tabela periódica. 

Como o nióbio pode ser utilizado na economia

Como um elemento com tantas características, tanto físicas como químicas, há várias áreas que podem se beneficiar do elemento. Vamos falar um pouco mais sobre como esse material funciona e qual o seu valor para a indústria e para a fabricação de diversos itens de forma geral.

Para que serve o nióbio

Nas realizações comerciais, vamos deixar claro que há áreas que o utiliza em abundância, como é o caso da saúde, já que suas propriedades são capazes de mesclar a criação de dispositivos médicos. Um exemplo desses usos está em marca-passo.

Tudo isso se deve, principalmente, a sua capacidade hipoalergênicas, que conseguem fazer com que qualquer equipamento continue funcionando de forma excelente. 

Com isso também é possível associar seu uso à fabricação de joias

Por fim, sua utilização em certas áreas também tem relação com a criação de fios de ímãs supercondutores, geralmente utilizados em algumas máquinas de ressonância magnética. E, até mesmo, por incrível que pareça, em aceleradores de partículas. 

Em outras palavras, suas propriedades não se resumem apenas a fatores físicos, econômicos, como também a áreas de estudo. 

Onde ele é mais utilizado

Apesar dessas aplicações importantes, o material é utilizado em grande abundância em outros setores. Atualmente é bastante empregado em automóveis e até mesmo em turbinas de aviões. 

A indústria bélica e a aeroespacial também utilizam o componente em diversos produtos. A verdade é que existem tantas aplicações do produto que se torna completamente inviável fazer as contas. 

O importante aqui é saber que o material já faz parte do nosso dia a dia em grande escala. Até mesmo em produtos simples, como piercings, pode ser encontrada a presença do nióbio.

Com suas características e boa quantidade no Brasil, fica fácil produzir diversos itens. E falando nisso, como que ele fica no cenário brasileiro?

O Nióbio e o Brasil

Bem, o país é responsável pela maior quantidade do produto no cenário mundial. É possível encontrar aproximadamente 94% do total do material no Brasil. Também é responsável por grande parte da comercialização do material que, em suma, representa bem a economia.

É claro que devemos considerar a ideia de oferta e demanda. Por possuir uma grande quantidade do material, ele é vendido a um preço bem abaixo do mercado, chegando a custar metade do valor do ouro, por exemplo.

Também pode ser trocado por outros materiais, então acaba perdendo valor. E por fim, apesar de ser possível vender o material em grande quantidade, o país apenas vende a matéria prima, sendo quase impossível, ou seja, no futuro deve comprar os produtos feitos com o material que foi vendido.