Ocupação da reitoria da USP – estamos de olho

E aí vocês me perguntam: “Que raio eu, que estou interessado em tecnologia, tenho a ver com a USP?“.

E eu respondo: Deveria ter tudo a ver.

A educação tem tudo a ver com tudo. Com política, com saúde, com tecnologia, com desenvolvimento, com esperança e futuro. Portanto, seja você blogueiro de qualquer assunto, convoco para ajudar na campanha dos alunos e funcionários das universidades estaduais de São Paulo.

Ah! Mas eu sou do Rio de Janeiro!“.

Ok. Mas direta ou indiretamente, todos são afetados. São Paulo é o sempre comercial e tecnológico do Brasil. Morando no Rio, em Belo Horizonte ou onde quer que seja, esse assunto é de seu interesse.

E mais: a USP ainda é considerada a maior e melhor Universidade do país, com maior representação no exterior. Se perdermos esse poder, o Brasil inteiro perde.

Porém, contudo, todavia, no entanto, os decretos do governador José Serra, afetam não somente a USP, mas outras universidades que despontam nos rankings das melhores do Brasil, como Unicamp, Unesp, entre outras.

Mídia

Nos últimos dias, inúmeras matérias sairam na mídia tratando do assunto. Adivinha pra qual lado da balança penderam?

Ocupação da USP é baseada em mentiras, afirma Serra – Folha Online

“O que está por trás [da ocupação] é o desejo de agitar e usar essas questões como pretexto para algum tipo de agitação com outros propósitos. Não se avançou um milímetro sequer sobre a autonomia universitária”, diz o governador.

Estudantes da USP decidem manter ocupação da reitoria – Estadão

“Os estudantes que ocupam a reitoria da Universidade de São Paulo (USP) há 19 dias decidiram em assembléia manter a ocupação. Às 23h30 de segunda-feira, 21, eles também decidiram rejeitar a contraproposta da reitora Suely Vilela, que havia oferecido aos alunos, a construção de 168 moradias estudantis no campus, além da reforma de algumas unidades e contratação de professores.”

USP: ocupação segue no fim de semana – G1

“Este Colegiado se recusa a ser complacente com o emprego de meios violentos no encaminhamento e resolução de demandas públicas. A violência, que ameaça dominar a sociedade brasileira, contra a qual temos nos manifestado insistentemente, não pode substituir o recurso à palavra e ao diálogo com interlocutores legitimamente constituídos, visando avanços no direito de maior número à educação pública de qualidade”, afirma a nota assinada pelo professor Gabriel Cohn, presidente da congregação.

E por aí vai.

E a verdade?

A verdade é que a mídia divulga acontecimentos da ocupação, declarações do governo e da reitoria, mas não divulga de forma nenhuma os motivos dos protestos. Tratam os estudantes como vândalos, vetando o direito a manifestações.

Felizmente, alguém ainda trata o assunto a sério e não como mera notícia. É interessante como mudanças nas Universidades públicas tem o mesmo peso de uma foto sem calcinha da Paris Hilton para todos. Aliás, minto. Tem um peso bem menor que as fotos da patricinha.

Recomendo a leitura da carta escrita para a revista Caros Amigos, em resposta aos ridículos apelados da revista Veja.

Entre no site do Caros Amigos, procure pelo link “Ocupação da reitoria da USP”. Está logo no começo.

O lado dos estudantes

Leia as reinvidicações no blog oficial da ocupação.

Ajude. Divulgue.

Parcial? Sempre.

[bl]guia do estudante, vestibular, livros, USP, faculdade, livros, hinos[/bl] [tags]USP, reitoria, ocupação[/tags]

2 comentários

  1. Renato

    É isso ai! Ta parecendo eu companheiro, rsrsrs.
    Esse é o tonobs do sindicato que eu conheço, o cara das greves, das mobilizações, dos recados na frente da sala… rsrsrs
    Mas, falando sério: O sucateamento do ensino público, tecnológico, superior e etc, é notório há anos… sem melindre, herança desde do Covas e etc, não vou comentar mais para não cair no partidarismo.
    Mais apoio a manifestação e o movimento do blog de divulgação e conscientização dos fatos.

  2. Camila

    O que tem a ver com tecnologia? Tudo. Tem tudo a ver.
    O que significa dizer que uma Universidade é pública? Não significa somente que não se paga para estudar lá. Paga-se sim, e quem paga é a sociedade por meio dos impostos federais. Conseqüência disso é que o conhecimento que nela se produz, também é da Sociedade. É o que se chama de extensão universitária; uma forma de devolver à coletividade o investimento feito.

    As Universidades Públicas são os maiores e mais importantes centros de pesquisa do país. Entre elas, USP, UNESP e UNICAMP juntas representam uma parcela enorme do que se produz no Brasil e na América Latina. Inclusive temas relacionados à tecnologia, por óbvio. Importar conhecimento hoje em dia é muito fácil, mas produzi-lo é muito mais importante para o crescimento do país.

    Essa é uma luta de todos. Privatizar o conhecimento significa que teremos que pagar cada vez mais por ele, o que significa que enriqueceremos mais ainda a meia dúzia de empresários da educação, enquanto empobrecemos cada dia mais. Privatizar o conhecimento é o mesmo que tornar mais profundo o abismo da diferença social.

    Isso faz alguma diferença pra você?

    Pra mim faz. Toda a diferença.

    Mais do que interessante, o vídeo abaixo é um pedido desesperado de socorro e apenas uma amostra da situação deprimente pela qual passamos.

    http://video.google.com/videoplay?docid=2766804175625447712

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.