Tribos no Campus Party

O meu segundo dia de Campus Party foi bem mais agitado que o primeiro. Tivemos aqui uma discussão, que deveria ser Blogueiros + Jornalistas falando sobre as novas tendências da web, mas acabou se tornando mais uma vez Blogueiros X Mídia, num ringue sem sentido. Vou deixar esse assunto para depois, já que vale um post a parte.

É muito interessante avaliar o comportamento das “tribos” por aqui. Tem a tribo dos blogueiros, que estão ganhando alguns minutos de fama, já que a mídia parece estar sedenta atrás de alguns ícones blogosfera pra tentar roubar algumas palavrinhas. A abordagem é mais ou menos assim: “Oi, você é blogueiro? Sim? Pode dar entrevista então?”. A tribo dos blogueiros como sempre se move em bando, sempre unidos, onde você encontra um encontra vários. Muitos passam o dia todo na frente do micro blogando, ao invés de curtir tudo o que o evento tem para oferecer.

Já a tribo dos jornalistas e da grande mídia também merece um post a parte. A vergonha de artigos publicados como os da Folha ou da Super Interessante resultaram em algumas manifestações. Aliás, é a única tribo isolada num aquário, como se fossem uma entidade a parte e distante do restante das pessoas.

Modding Há aqui também a tribo dos Gamers. Sabe aqueles caras que gastam mais do que o salário pode pagar tunando seu carro e colocam aqueles luzes de Neon que ninguém nunca vai entender pra que servem? Os Gamers fazem isso, só que com seus micros. Inclusive a parte das luzes de Neon. Além disso eles passam o dia em meio a campeonatos de Street Fighter e Counter Strike (confesso que eu também joguei!).

Simuladores Um pouco decepcionante foi a área de Astronomia, que eu esperava encontrar grandes palestras e explicações sobre simuladores de vôo. Se eu cheguei na hora errada, eu não sei, mas lá estava bem vazio.

Todavia, é intrigante a necessidade de rotular pessoas. Creio que seja uma forma simples de resumir um pouco do que você é e acredita, sem ter que contar a história da sua vida à alguém. Dizer “Sou blogueiro” já mostra um pouco de quem você é e do que você faz. O importante é saber que, apesar dos rótulos facilitarem um pouco o serviço, cada pessoa é uma pessoa, e tem uma história diferente, uma vida diferente e crenças diferentes. Cabe a nós saber entender até onde o esteriótipo condiz com a realidade.

Pronto, agora percebi que era isso que eu deveria ter dito à Daniele Suzuki, no programa “Tribos” que acabamos de gravar no bar (depois falo mais sobre o programa), falando um pouco sobre os Nerds. Ao invés disso, acho que acabamos contribuindo ainda mais para firmar o esteriótipo nerd/tímido/cdf/não-pega-mulher. Não sei.

Tribos no Campus Party
Avalie esse artigo:

3 Comments

  1. insurance esure car 07/01/2009

Add Comment